segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Cara ou coroa?

As nossas muitas caras

Quantas caras você tem? Eu não tenho duas. Tenho muitas. Isso tem pouco a ver com o zodíaco. Sou geminiano, signo injustamente acusado de falsidade.

Quando me refiro às minhas várias caras, estou falando de todos nós. E que belo espelho dessa realidade é a arte.

Estive na exposição sobre Frida Kahlo e outras pintoras surrealistas, em São Paulo, e fiquei um bom tempo parado em frente à obra "A mulher deixando o psicanalista", de Remedios Varo.

Repare na imagem acima: é uma mulher que revela pelo menos três faces. Nenhuma delas muito clara. A mais visível é a que ela segura em uma das mãos, quase caindo, de ponta-cabeça. Parece um filme de terror, um pesadelo. Surreal.

Fiquei imaginando quantas outras caras essa mulher esconde e que não mostrou na sessão de psicanálise. Que não revela ao mundo. E quantas nem sabe que tem, fora de seu controle.

Difícil imaginar o que Remedios tinha em mente quando a pintou. Me arrisco a dizer que a artista tentou externar a aflição e o horror que é decifrar a própria identidade.

Acho que temos, no mínimo, três caras. A que a gente pensa que tem. A que os outros veem. E a mais próxima da verdade, que só um espelho livre de riscos pode refletir. Esta última, muitas vezes, só conseguimos enxergar com ajuda.


A identidade é porosa. A filósofa Judith Butler, especialista em desconstruir gêneros, enfatiza em sua obra que a mulher, por exemplo, não é sujeito uno, estável, universal. Por isso, jamais poderia ser definida de acordo com os parâmetros machistas, ou mesmo os feministas. Não somos todos assim?

É de senso comum entre analistas do discurso e psicanalistas: somos sujeitos clivados, complexos e interpretáveis, sob muitos aspectos. Indefiníveis, portanto. Com muitas caras na superfície e outras tantas que ficam camadas abaixo.

Para manter a sanidade, fora dos consultórios dos psicanalistas, só há uma saída: a serenidade diante do fato de que jamais poderemos controlar o que os outros pensam a nosso respeito.

Para seguir em frente, temos de dar de ombros a uma de nossas caras, aquela que os outros veem (e a partir da qual tiram conclusões).

É claro que, em meio a tantas facetas, é preciso haver pontos de segurança e bom senso: caráter, valores, personalidade. E ter ciência de que somos variáveis entre eles. 

É vital, assim, a tranquilidade diante da inevitabilidade da influência que o meio e as pessoas, inclusive os nossos pares amorosos, têm no nosso comportamento. Nossa natureza é reativa, afinal.

Cara ou coroa? Não somos uma moeda. Assim ou assado. Somos tantos, mudamos, nos movimentamos e nos construímos, a partir de uma infinitude de circunstâncias. 

A mulher que sai do psicanalista sou eu, é você. Olhar para as nossas três (ou mais) caras é desafiador. Às vezes, elas guerreiam. Que vença a melhor.  

12 comentários:

  1. Amei o texto, acho que temos varias caras, facetas...e uma que se aproxima da real, somos múltiplos tentando encontrar um único em nós.. Bjoss da irmã.. Siga

    ResponderExcluir
  2. Que linda reflexão, maninha. E que esse único em nós seja sempre a essência do bem. Bjo.

    ResponderExcluir
  3. geminianos geralmente são inteligentíssimos, rápidos e espertos. Falsos também? Tem uns memes que rolam por aí que eu adoro, tinha até uma coleção deles, já viu aquele: "sou responsável pelo que digo/faço, não pelo que o outro entende".
    e sobre "entender" o outro, vejamos: se você acabou de se separar e eu sentar contigo pra conversar, você vai despejar um monte de enganos (inclusive autoenganos)para se safar; terás que sair como o "superior" da história, o justo, o correto, ou até a vítima. A outra parte terá outras versões igualmente distorcidas e se confrontar as duas posições aparecerão coisas que até então nem tinham entrado em questão. Só um exemplo do que acontece em todas as esferas de existência e relacionamentos humanos. Um cansaço!
    o outro meme termina assim: "e o que os outros pensam, é problema deles!"
    essa exposição deve estar de elevar aos céus... invejei.
    um grande abraço, desde os matos garopabenhos brasilis.

    j.i.

    ResponderExcluir
  4. sobre isso tudo ainda, lembrei de um Pablo Neruda que carrego sempre comigo, adoro:

    "Regresando

    Yo tengo tantas muertes de perfil
    que por eso no muero,
    soy incapaz de hacerlo,
    me buscan y no me hallan
    y salgo con la mía,
    con mi pobre destino
    ..."

    j.i.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gente culta é outro papo, né J.I.? Quanto à questão "Sou responsável pelo que digo, não pelo que os outros entendem", isso é Austin, Derridá, e a tal da teoria dos atos da fala, que me fascina. Há sempre um dito, aquilo que se quis dizer e o que o outro entende. E isso é performatizado num discurso, ou seja, todo discurso também é ação. Entendeu? Eu demorei pra entender, mas estou estudando pra me tornar um mestre. Me aguarde, rsrs.

      Sobre Pablo Neruda, lindo. E a exposição de Frida foi, sim, um passeio no céu da arte surrealista, que eu tanto aprecio. Beijos e volte sempre!

      Excluir
    2. é também uma questão de Gestalt, da (in)capacidade de entendimento e percepção que há no outro; ou da (in)capacidade de expressão que há em nós. Questão de ponto de vista; das ist Gestalt!
      gosto do teu divã! (a pessoa assina pseudônimo e deixa o nome à vista, idade é foda!)

      Excluir
  5. Concordo totalmente com você. Não somos cara ou coroa. Mas a cara que escolhemos ser, nos define mais do que aquela que escondemos. Afinal, escolher já é algo dificil. Se torna mais ainda quando a sociedade nos delimita as escolhas. Ótimo texto, como sempre. Boas festas!

    www.chadefirulas.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. A cara que escolhemos ter também muda, Laís. A gente muda o tempo todo. Somos reativos. Temos de escolher novas caras o tempo todo, no bom sentido. Mas concordo com vc: essa escolha, muitas vezes, não é fácil. Beijão e boas festas pra vc tbm!

      Excluir
  6. Geminiano...significa ser irmão ímpar de outro... mas..."ímpar" ? Ímpar significa apenas um...único... opa...gêmeo.... ímpar.... sim....apesar de aparências... cada um é um...único... ímpar.... mas então... essa ligação entre gêmeos... ( leia-se pelo menos 2) e ímpar apenas um.... eis que as várias faces caminham juntas... todos temos nosso "lado B"... todos somos vários mas apenas ímpares... único em vários.... Rodrigo Ziviani....chegou ao ponto crucial... com sua pluralidade em ações.... apenas um...e podemos dizer....esse é o cara.... que seu ímpar seja a fonte de inspiração a vários gêmeos, piscianos, taurinos em fim...que todo o zodíaco esteja inserido em seu "geminoanismo"... e assim pensando.... agindo...flutuando em pensamentos...seja filósofo no pensar....abraços

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Faltou se identificar, anônimo. Obrigado pelas observações e pelo comentário, gostei muito. Abs!

      Excluir
  7. Oi Zivi, tudo ótimo? Curti demais esse texto. Eu tbm sou de Gêmeos e passo por uma situação assim. Para identificar melhor essas coisas, acabei definindo da seguinte maneira: André é o tipo mais calmo, sensato e o Andy é o rebelde, indomável, desbocado e inculto. O que ambos tem em comum? Foram maltratados e apenas querem ser felizes. Pode parecer doideira para aqueles que não entendem dessas coisas, mas é isso que ocorre comigo. Tudo de melhor pra você, meu amigo. Se cuida aí e um ótimo 2016.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Diria que essas são as duas caras na sua superfície. Há tantas outras além do seu entendimento e controle. Relaxa e seja feliz! Por aqui, não vai ser maltratado, rsrs. Abs!

      Excluir