domingo, 17 de maio de 2015

Temporada de sustos

O horror em cartaz

No cinema, o ano tem sido excitante para os fãs de terror, como eu. Não falo do trash, que também tem seu valor, mas do terror consistente.

A refilmagem de "Poltergeist" e a terceira parte de "Sobrenatural" estão entre os mais badalados. Guillermo del Toro, pai do divertido "Mama", vem aí com "A Colina Escarlate", outra boa promessa nessa nova temporada de sustos. 

E ainda tem "A visita", de M. Nigth Shayamalan (dá um play no trailer ali encima), diretor que vem tentando, sem muito êxito, repetir o desempenho de "O Sexto Sentido" nas bilheterias.

Um filme, porém, chega para revolucionar a concorrência. É o despretensioso "Unfriended", ainda inédito no Brasil. O Blog do Zivi já tinha dado um aperitivo, clique aqui para rever.


Vi durante as férias, em Nova York. Admito que tudo colaborou para que eu gostasse: o cinema incrível, a pipoca caramelizada de outro mundo, o refri à vontade e o fato de que não precisei de legendas, o que me deixou orgulhoso. 

"Unfriended" parece um terror para adolescentes, mas vai além. O formato é inovador. O filme inteiro é um bate-papo pelo Skype com alguns jovens sendo perseguidos por um usuário fantasma. Até que eles descobrem que o tal usuário é uma garota que se matou um ano antes por causa de um vídeo constrangedor postado na rede.

Transportar para a telona a linguagem internética, crua, é tão arriscado quanto fazer um musical por definição, em que os atores apenas cantam. No caso de "Unfriended", no entanto, a novidade é instigante e deve agradar especialmente as plateias mais conectadas.

O mote da vingança não é novo no cinema, mas é criativa a maneira como cada um vai sendo morto, no decorrer de um jogo psicológico e aflitivo. "Unfriended" (expressão que se refere à exclusão de um amigo no Facebook) levanta uma outra questão em tempos de redes sociais: o quão frágeis podem ser os relacionamentos, amorosos ou não.

O filme brinca com a imagem que gostamos de passar no mundo virtual, imaculada e festeira, enquanto a realidade esconde, quase sempre, um lado sombrio, invejoso e perigoso. Futilidade mata.


O final não é exatamente de fazer cair o queixo, mas é interessante. O elenco, embora jovem demais, é talentoso. E nunca ouvi falar do diretor, Levan Gabriadze, que, por enquanto, tem currículo inexpressivo. Digamos que começou bem.

Curiosas: "Unfriended" tem co-produção da MTV e teve outros nomes cogitados, como "Cybernatural" e "Offline". 

No geral, nota 7. Pela ousadia, 10.

Nenhum comentário:

Postar um comentário