terça-feira, 4 de março de 2014

Para aquecer o coração

Só que não

É o segundo casamento de Sílvia. Funcionária pública, ela tem quase 40 anos e uma filha do atual marido. O primeiro era tão morno que foi fácil deixar para trás. O mais recente começou fervendo. Hoje, é mais do mesmo. Depois de inúmeras brigas, decepções, crises de depressão e até traição, Sílvia resolveu manter o matrimônio, "pelo bem da filha". Separar-se de novo, afinal, daria muito trabalho. Além de pegar mal. Tem foto da família feliz no Face pra inglês e todo mundo ver.
  
Carlos é educador físico e fez 35 na virada do ano. Está em forma. Já teve alguns namorados. Depois de passar a metade de 2013 reclamando da solteirice, desistiu, por hora, de encontrar a cara-metade. Casamento? "Só com as noitadas", ele diz. E tome selfie. No quarto, no banheiro, na academia, no elevador, na piscina. Vai que alguém vê e se interessa? O último que se interessou conversava com outros dez por um aplicativo de namoro. Sem futuro. A única certeza de Carlos, agora, é a balada de sábado.  

Elton, professor, 29 anos, está acima do peso e tem a cabeça grande. Mesmo esquisito, o cara se acha. Estava desesperado pra ter uma namorada. A última que deu bola gostou do papo pela internet e foi ver qual era. Pessoalmente, não rolou química. Ele gostou e insistiu em outros encontros. Ela deixou claro que só queria amizade. Com o orgulho ferido, Elton deu um golpe de sorte: conheceu uma desesperada como ele e tratou de mudar logo o status na rede social. Está "em um relacionamento sério". Não faltaram felicitações. Paixão-miojo é assim: rápida, sem gosto, mas sensacional pra quem vive de aparências.

Márcia é vendedora, pouco ambiciosa, já passou dos 30 e tem o hábito de se anular em relacionamentos. Tomou um pé na bunda da companheira de uma década. Levou dois anos para se recuperar. Ia pra balada quase todo fim de semana e bebia até cair. Hoje, está casada de novo. Não se apaixonou. Estava carente de atenção e deixou rolar. Já moram juntas. Usam alianças. E enchem as páginas da rede social com declarações de amor e fotos fofas. Se o mundo acreditar que Márcia está feliz, quem sabe ela não acredita também?

Caio é advogado. Chegou aos 28 anos com um bom emprego, salário razoável e roupas descoladas. Tinha um namorado bonito, charmoso e até mais interessante do que ele. O relacionamento, de muitos anos, não ia bem. Com medo de levar um chute, Caio decidiu se antecipar e acabar com tudo. Em dois meses, foi tomado por um arrependimento mortal. Tentou voltar. Era tarde demais. O ex descobriu que a vida de solteiro, se aproveitada com critério, pode ser fabulosa. Caio posava de independente, mas se apressou em arrumar outro namorado. Aliás, a cara do anterior. Na internet, largos sorrisos para disfarçar a burrada de uma existência. Mas ficam bem na foto. Centenas de curtidas.

**A moral do Facebook é um ditado que nunca cai de moda: "Por fora, bela viola. Por dentro...". Vocês sabem. 
Beijo no ombro! Risos histéricos! E um gole no meu Cosmopolitan, claro. Piscadinha. 
Fui. 

14 comentários:

  1. Nossa.. perfeito! Eu lembrei de vários casos "bela viola" enquanto lia seu texto. Rs
    Esses dias mesmo comentei com o Gabriel, esses casais que precisam a cada segundo fazer suas demonstrações públicas de afeto não sentem um décimo do que declaram.

    Cômico e trágico, eu diria.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Natália, eu vou mais longe. Conheço histórias em que o número de declarações no Face é proporcional ao tamanho da culpa. Tem muita coisa errada e sacanagem por aí. Amor declarado em rede social, a toda hora, é, quase sempre, sinal de insegurança, ou de que as coisas não vão tão bem quanto parecem. Mas o que importa, para a maioria, é passar a imagem certa. Para mim, nem isso conseguem, rsrs. Abs e obrigado pela visita.

      Excluir
    2. É.. eu não gosto, nem nunca gostei de coisas exageradas. Já dizia o ditado: tudo que é demais, sobra. Ou sobra ilusão ou sobra culpa. E aos espectadores sobra apenas a terrível impressão de que a artificialidade e ostentação (material, sentimental, espiritual e tudo mais que puder ser exibido) estão dominando o mundo. =/
      Abraço

      Excluir
    3. Sensacional, Natália. Mas, infelizmente, os espectadores que se dão conta dessa ostentação são raros. A maioria se sente confortável nesse mar de bobagens!

      Excluir
  2. Ahhhh......como sempre, muito bom!!!!!! Ri muuuuiiiiito, é isso mesmo, adorei as histórias...rsrs
    Sou sua fã número um:
    Sua irmã, Marília

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tinha certeza de que adoraria, minha irmã, principalmente de uma ou duas historinhas aí, que a gente conhece bem, né? Rsrs. Sou seu fã também. Bjos.

      Excluir
  3. Como é bom poder falar mal das pessoas mudando apenas seus nomes!!!!
    Tem o caso do Zé... o mesmo vinha de um longo relacionamento morno...ai Zé traiu e aprontou...logo Zé estava apaixonado novamente e escrevendo todo seu amor em seu diário...quando Zé tinha uma “dr" corria e escrevia em seu diário como estava sofrendo e como iria superar...ai Zé voltava e ai Zé terminava, em um ciclo sem fim!!! Claro que sempre escrevendo em seu diário nada secreto!!! Pior de tudo é que o tal Zé se diz avesso a este tipo de atitude...francamente Zé!!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu conheço bem o Zé. Na verdade, ele vem de um relacionamento curto, dois meses pra ser exato. O PENÚLTIMO (acho que é a esse que você se refere) foi longo. E muito morno no fim. No começo e no meio, foi, digamos, um desastre. Mas, se Zé aprendeu que não se deve desistir fácil, aprendeu também que não dá para insistir para sempre.

      É um cara imperfeito, como todo mundo, porém esperto. Tratou de terminar logo o romance mais recente, porque sentiu, de longe, o cheiro de problema. Zé adora simplificar a vida. E não vê drama na solteirice nem na solidão construtiva.

      Tem uma coisa sobre o Zé que eu preciso dizer: ele não falou mal de ninguém. Nem trocou nomes. A crônica foi "inspirada" em histórias reais, de gente que tem às pencas nas redes sociais. O texto reflete, simplesmente, um modo de loucura compartilhado e socialmente aprovado por uma multidão que valoriza a imagem, o parecer, em detrimento do conteúdo e do que reside por trás do véu da hipocrisia. Zé usou apenas de certa liberdade poética para construir personagens. Ele sabe, contudo, que nem todo mundo consegue interpretar textos. É compreensivo com os mais lerdos.

      Zé tem um blog, sim. Não é bem um diário, porque há textos sobre muita coisa que foge à sua intimidade. Gosta de escrever o que bem entender. E se delicia quando alguém discorda dele sem argumentos.

      Por vezes, Zé abre o coração. Sofre como qualquer ser humano. Mas fala de SENTIMENTOS. Nunca expõe os relacionamentos. Aliás, nunca vi o Zé postar fotos e declarações de amor para tentar provar algo a si mesmo ou aos outros. Zé é discreto e sabe que a verdadeira felicidade é o avesso da propaganda.

      Zé diz que ama pessoalmente. Agradece pessoalmente. Admira pessoalmente. Discute pessoalmente. Se não gostar de você, vai dizer na sua cara, antes de escrever qualquer coisa a respeito. Se você valer a pena, lógico.

      Digo mais: tem tanta coisa sobre a vida do Zé que ninguém sabe! Talvez os mais chegados, os amigos mais próximos, aqueles poucos que ele ama e escolheu ficar perto. E, sim, aquele ciclo do Zé teve fim. Parece que faz tanto tempo!

      Agora, sabe o que eu mais gosto no Zé? Quando opina, defende alguma coisa, ele se levanta e se identifica. É humilde para reconhecer os erros, aprender com quem sabe mais e, sobretudo, sábio o suficiente para se manter bem longe dos covardes anônimos. Nem por isso, deixa de publicar um ou outro comentário sem identificação em seu blog, ainda que seja uma afronta a ele ou ao bom senso.

      Zè é democrático, gente boa pra caramba! Gosta de ouvir, repensar seus pontos de vista. E absorveu, desde cedo, uma lição importante, do mestre Nelson Rodrigues: a de que toda unanimidade é burra.

      Quer saber? Eu sou fã do Zé!

      Excluir
  4. "Definição: Blogs são páginas da internet onde regularmente são publicados diversos conteúdos, como textos, imagens, músicas ou vídeos, tanto podendo ser dedicados a um assunto específico como ser de âmbito bastante geral e têm normalmente espaço para comentários dos seus leitores."

    Se nada saiu do script... Ou eu sou lerda o anônimo estava com um estado de consciência equivocado???

    Ô Zé!!!
    Obrigada por você trazer o lado mais leve de uma de suas paixões que é o comportamento humano e fazer a gente dar boas risadas, e também por fazer a gente se tocar que "face" não é = a "fake".

    Beijo enorme!

    Sandra.:

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Então, Sandra, tem gente fazendo a linha "black block" aqui. Ataca e nem se identifica, rsrsrs. Mas foi fácil demais descobrir quem é. Imagine uma risada de diva: jogando a cabeça pra trás e gargalhadas superiores. Foi essa a minha reação, hahaha.
      Obrigado sempre pela atenção e carinho! Um bjo.

      Excluir
  5. Hahahaha...também partilhei da risada de diva e me empolguei ao ler a resposta (inteligentíssima, por sinal).
    Muita luz, proteção e sempre um novo jeito de caminhar!
    Beijo, gatinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Lu. Louco pra dar uma risada de diva junto com você. Rsrs. Bjos e muita luz pra você também.

      Excluir
  6. Bravooooo!!! (Principalmente para sua resposta ao comentarista anônimo). Há amor no ódio, já diziam os gregos. Ouviram????

    ResponderExcluir
  7. Maria Tereza, acho que passei o recado ao anônimo, que já nem é tão anônimo assim, coitado. Mas esse negócio de ódio não tem chance aqui, não. Nem se for com um pouquinho de amor, rsrsrs. Bjão pra vc!

    ResponderExcluir