domingo, 8 de abril de 2012

Bate, coração!

Amor de verdade


Foi a primeira Páscoa sem ovos de chocolate. Mudança. Concreta. Nunca liguei para os ovos. Mas sim para o que eles significavam e de quem vinham. Aqui em casa, a Páscoa foi simples, limpa, serena, como o terreno que começo a semear. Estou preparando o jardim, que andava esquecido, para as próximas borboletas.
A Páscoa diferente me fez ter uma nova perspectiva sobre o amor de verdade. A gente acha que todo feriado santo só vale com chocolate. Como é possível ficar sem? O mesmo acontece com o amor de verdade. Quando o achamos, não queremos largar, não conseguimos vislumbrar uma vida sem algo tão intenso, tão maravilhoso. Só que o tempo passa. Com ele, chega a inevitável pergunta: o que é, de fato, um amor de verdade?
Da mesma forma que descobri uma Páscoa sem cacau, encontrei, aos poucos, as respostas. O amor de verdade não é sinônimo de amor para sempre. O verdadeiro amor pode não durar uma vida inteira. Aliás, este nem deve ser o seu propósito. Amor que é amor, antes de mais nada, ensina. Por caminhos tortuosos, às vezes. Pelas diferenças que podem se tornar irreconciliáveis. Pela incompatibilidade de gênios, jeitos, estilos de vida. Pela dificuldade de encaixe, a despeito da excelente química. Pelos objetivos que vão cada um para um lado. Pelas ambições, umas mais discretas, tranquilas, outras desmedidas, atropeladoras. Mas, principalmente, pelo que a gente sente aqui dentro, no peito. Sim, a gente sabe quando é especial, apesar de tudo.
O amor de verdade não acaba. Aprendemos a tolerar sua ausência, porque a presença pode ser confusa, atordoante e enfraquecedora. O amor de verdade deixa ir, porque compreende que a felicidade pode estar mais na separação e menos no casamento. O amor de verdade precisa de tempo para se transformar numa reluzente lembrança dos bons tempos, em detrimento dos momentos de aflição, dúvida, sufocamento. O amor de verdade não fica com mágoas. Apenas entende que a vida precisa ser simplificada, equacionada com o bem-estar, a alegria de viver, e não com armas de combate, ainda que em posição de repouso, esperando pela hora do saque.
O amor de verdade nem sempre é pacífico. Chega, muitas vezes, para nos tirar do prumo, sacudir a poeira, mostrar outros horizontes, despertar sensações inéditas e exterminar o comodismo de uma realidade cansada e esgotante. Pode se confundir com a paixão. O amor de verdade também pode esgotar. Pode se esgotar. É quando entra a sabedoria. Na montanha-russa do coração, aprendemos a ter inteligência emocional. Aprendemos o que esperar das subidas intermináveis e das descidas que dão frio na barriga. No fim das contas, a gente sabe que ninguém vai morrer. A gente sobrevive à saudade, à distância, à vontade de fazer dar certo para o resto da vida, à frustração de ter tido um amor de verdade que só veio para cumprir um curto, porém fundamental, papel na longa trajetória que devemos percorrer.
O amor de verdade permanece. Que honra levar isso comigo, embora, aqui e ali, não consiga evitar a melancolia e o desejo de uma noite de sexta com edredom, filme e a companhia que, um dia, quis ter pra sempre.
O saudoso Millôr Fernandes escreveu: "Viver é desenhar sem borracha". Meu desenho, hoje, está uma bagunça. Não posso apagar. Devagar, tenho certeza, vai começar a fazer sentido. Amor de verdade é como obra-de-arte. Ninguém precisa entender. Só interpretar. Quem sabe uma outra chance? Num outro momento, daqui a alguns meses, talvez anos, com tudo diferente e outras lições aprendidas? Com as cabeças turbinadas pela razão que só o tempo é capaz de proporcionar? Com os corações mais avermelhados e prontos para, enfim, acertar os ponteiros que sempre faltaram?
O amor de verdade é esperança. De que tudo dê certo, seja lá como for. Se for pra ser, vai ser de novo, hoje, amanhã, daqui a uma década, quem pode adivinhar? Se não for, ok. Às vezes, nos apaixonamos. Amamos com força. Aprendemos o que é preciso. Seguimos em frente. E tudo bem. Uma vida sem ovos de Páscoa não é o fim do mundo.

6 comentários:

  1. Ro parabéns pelo texto..adorei..feliz pascoa para você!!
    Grande abraço
    Daniel

    ResponderExcluir
  2. Esse eu tirei bem lá do fundo do peito, Daniel, rsrs. Bom ver vc por aqui. Um abraço e boa Páscoa também.

    ResponderExcluir
  3. Muito bom o texto, Rodrigo! Adorei.
    Que o descanso nessas férias consiga ajudar você a organizar, pelo menos um pouco, a bagunça do "desenho" que sua vida tem hoje. É clichê, mas o tempo é mesmo um santo remédio!
    Vamo que vamo!
    Beijos :)

    ResponderExcluir
  4. Obrigado, Olívia. O tempo, de repente, se tornou meu melhor amigo. E estou aprendendo a ter mais paciência para deixar que as coisas aconteçam, sem pressa. Vamo que vamo, rs! Bjos.

    ResponderExcluir
  5. Converter....segundo Michaelis: Mudar(-se), transformar(-se), transmudar(-se) uma coisa em outra: "O coração bravo converte o lenho em aço" (Rui Barbosa).
    "...as preces... converteram-se num som único de choro perdido" (Alexandre Herculano).
    Comutar, substituir: mudança de direção !!!
    Novos ares, novo olhar, nova fase, novo Rodrigo, pelo que me parece mais belo de alma, caracter, postura, e com a terra do coração em fase de recuperação da exaustão, mais como a cada ciclo temos a opção de nos tornar uma pessoa melhor......
    Amor é uma cicatriz que sempre estará lá !!! Mesmo tentando esconder, quando menos percebemos, ta lá...diante de nós.
    Felicidades sempre !!!
    Tiago

    ResponderExcluir
  6. Tiago, que bonito! Obrigado pelas palavras de conforto e por me desejar o bem. O dobro pra você! Um abraço.

    ResponderExcluir