quinta-feira, 9 de novembro de 2017

Mantenha distância

Sobre o jornalista racista

racismo
substantivo masculino
  1. 1.
    conjunto de teorias e crenças que estabelecem uma hierarquia entre as raças, entre as etnias.
  2. 2.
    doutrina ou sistema político fundado sobre o direito de uma raça (considerada pura e superior) de dominar outras.


Sim, o que o tal jornalista da Globo comentou foi racista.

Sim, ele tinha de ser afastado de imediato, e a emissora agiu corretamente. Comunicadores precisam ter responsabilidade e ética, mesmo longe dos holofotes. 

Sim, todo mundo sabe que o apresentador em questão é conhecido pela sua arrogância.

Sim, a vida se encarrega de colocar cada um em seu devido lugar. Causa e efeito. Ouvi um amém?

Sim, a internet está repleta de idiotas lamentando o afastamento do jornalista e criticando quem o denunciou, tentando minimizar o preconceito. Haja paciência.

Sim, precisamos combater o racismo com veemência e mostrar que isso vai ser coibido, até que esses supremacistas disfarçados de gente do bem aprendam a lição. 

Sim, eu sou a favor do dia da Consciência Negra, porque dá visibilidade a uma minoria que ainda sofre. Que a data saia do calendário apenas quando todos tiverem o mesmo tratamento.


Não, branco nunca sentiu na pele o que é ser discriminado pela cor.

Não, a televisão e o Brasil não perdem nada com a saída de um profissional racista do vídeo.

Não, não é mimimi, papo de esquerdista ou discurso de coitadinho. Racismo é crime e de uma ignorância sem tamanho.

Não, eu não quero mais "amigos" que misturam questões humanas e de bom senso com política de direita ou esquerda. Se você é desses, mantenha distância.

Não, não cola mais fazer piadinhas e depois dizer que foi só brincadeira. Brincando, a gente pode dizer tudo, inclusive os preconceitos que a gente tenta esconder.

Não, eu não vou mais aturar nenhum asno querendo desqualificar o combate à discriminação, seja por gênero, cor ou sexualidade. Todos merecem respeito!

Por fim, esse jornalista que "caiu", apenas por curiosidade, é o mesmo que, dizem, deu cotoveladas em um colega de profissão durante uma coletiva de imprensa pra pegar a entrevista primeiro. 

É o mesmo que tentou diminuir a Anitta numa entrevista (escrevi sobre isso aqui), só porque ela canta funk e é sensual. 

É o mesmo que ganhou fama por ser agressivo e antipático. E, cá entre nós, ele nem é tão bom na bancada. Mesmo que fosse, ser um profissional competente não autoriza a babaquice.

Sim, sou jornalista. Sim, sou branco. Não, nada disso importa. O que importa mesmo é ser humano.

4 comentários:

  1. Disse tudo Rodrigo. Nem ver alguém só por brincadeira chamar alguém de macaco, dizendo que são amigos desde pequeno. Isso ´ruim, porque se criança ouvindo, acaba por brincadeira fazendo o mesmo com amiguinhos na escola etc, daí, se o 'xingado' é maior e bate no que xingou, o pai, tio, avô dirá, só podia ser preto. E se o 'xingado' é pequeno, viverá odiando brancos.

    ResponderExcluir
  2. É isso mesmo, Benê. Racismo é cultural, aprende-se a ser racista. E precisamos mudar essa cultura, precisamos ensinar aos outros que todos somos seres humanos e que a cor da pele é irrelevante. Quando isso se transformar em realidade, e não só em discurso, poderemos, finalmente, justificar um tratamento igualitário, seja pela lei, seja pela própria sociedade. Um abraço e obrigado pela visita.

    ResponderExcluir
  3. Amei o seu texto. Sou negro e sei na pele o que acontece quando alguém muda de rota, muda de banco no ônibus muda de temperamento quando um negro se aproxima. O que mais me deixa triste é que, nós negros somos preconceituosos com nosco mesmos, quando nos acostumamos e acreditamos no medo e compatuamos deste preconceito da nossa pele. Outro dia vi um vídeos onde crianças negras e brancas eram testadas opinando qual a boneca era mais bonita, a mais legal e a ruim. Foi triste o resultado. Crianças não tem preconceito, reproduzem o que a sociedade ensina. Obrigado por escreve. A gente só tem a ganhar ao compartilhar coisas positivas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico feliz em ter colaborado, mesmo que um pouquinho, para o combate ao racismo. Feliz também por você ter gostado do texto. Um abraço.

      Excluir