quarta-feira, 4 de março de 2015

Pra cumprir tabela

Poucas 
e boas

Gente, sério: tô numa fase de reorganizar a vida, mas não vou usar isso como desculpa para a falta de inspiração. Eu queria ter um texto genial na manga, ou pelo menos uma ideia bacana. Pendura aí. Põe na caderneta.

Na falta de brilho, vou mandar o arroz com feijão na cara da sociedade. Me julguem. E isso significa que, no lugar de uma análise sociológica ou textual minimamente interessante (oi?), entra um resuminho das minhas paixões e indignações dos últimos dias. Afinal, o blog é meu e escrevo o que bem entender. Mentira.


Começo pelo "Fantástico" (saudades da Isadora), que se pretende jornalístico, mas se travestiu de confusão e irrelevância. Não sou anti-Globo. Só que abrir a principal atração de domingo com uma reportagem sobre um pentelho que ficou triste porque os amiguinhos não apareceram na festinha de aniversário é, no mínimo, um novo "case" a ser levado para as salas de aula das universidades. Afinal, que merda é essa?


Falando em merda, cobri um factual inusitado dia desses. O de uma jovem que mostrou todo o glamour e poder do laxante em uma casa noturna de Ribeirão Preto. A bonita batizou a pista de dança com força e coragem. E entrou para a história da noite ribeirãopretana (e das redes sociais) como o maior mico da galáxia. Uns ficaram com pena. Outros vão rir até 2019. Ninguém sabe o que aconteceu de fato. No lugar dela, desenterraria a cabeça e cobraria cachê. SQN.


Por falar em cachê, caro mesmo tá o ingresso pra ver a Madonna lá fora: entre R$ 800,00 e R$ 1700,00. A culpa é da Rita. Digo, Dilma, que deixou o dólar a R$ 3,00. O boato é o seguinte: a dona do pop desembarca por aqui no começo de 2016 com a sua aguardada e caríssima "Rebel Heart Tour". Ela pode. E eu tô vendendo o rim esquerdo, interessados in box. Aviso: a performance acima, feita na TV francesa esta semana, é destruidora. 


Enquanto isso, vou ao cinema com cortesia, porque jornalista não é obrigado. O último da lista foi "O Jogo da Imitação", sobre o gay (e também gênio matemático) Alan Turing, que ajudou a Inglaterra a vencer a Segunda Guerra. O cara  (vivido pelo ótimo Benedict Cumberbatch) conseguiu decifrar os códigos alemães com uma máquina que depois se transformou no nosso computador. Ou seja, sem essa bee (com todo o respeito), eu não conseguiria acessar meu site preferido: Xvideos. Keep calm and go porn! Detalhe: Keira Knightley, que também encarna uma cientista, tem os dentes tortos. Uó. Beijo para os fúteis.

4 comentários:

  1. Por essas e outras que insisto tanto em ser seu amigo rs. Jaime

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fico honrado com a sua "insistência", Jaime, rsrs. Tem gente que é bem o contrário: quando lê (ou ouve) o que eu penso, trata logo de desaparecer. Mal sabe que fez um favor. Abraços, meu caro!

      Excluir
  2. Acho super interessante seus posts, me divirto, aprendo, fico por dentro do que está acontecendo e do que está por acontecer e também esse seu jeito de ser vc me fascina, tá super certo...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Renato. Esse meu jeito de ser é uma faca de dois gumes: pode fascinar e assustar, rsrs.

      Fico muito feliz que esteja curtindo o blog, Forte abraço!

      Excluir