segunda-feira, 29 de dezembro de 2014

O tempo de Deus

E agora, J? 

Quando você apareceu, foi tudo fácil demais. Você me procurou, você quis, você insistiu, você tudo. Eu avisei desde o início que daria trabalho, que não estava no clima, mas você não ouviu.

Achei que você tinha a pinta da pessoa certa. Achei que estivesse me apaixonando. Mas as coisas não acontecem necessariamente na hora que a gente quer. 

Pra se apaixonar, disse alguém outro dia, é preciso estar predisposto. Pra entrar de cabeça num relacionamento, eu precisava querer com coração e alma. E esses meus dois ainda estavam meio brigados.

Fiz um balanço do que a gente teve. Lembrei de tudo: da viagem a Minas às noites no seu apartamento com ar condicionado. Eu te dispensei. Quando te comuniquei da minha decisão, estava certo de uma coisa: eu não estava pronto. 

Eu não sabia como encaixar você na minha vida, em meio às mil e uma coisas que já ocupam tanto espaço. E você começou a fazer birra. Foi para o Rio com as amigas solteiras. Diante das circunstâncias e da minha constante indecisão, essa foi a gota d´água.

Agora, quase virando o ano, fiquei pensando em como tudo poderia ter se encaixado, se fosse num outro momento. Me lembrei de você, quando fui ao cinema ver "Interestelar", filme que mostra o amor e o tempo como variáveis na equação insolúvel da vida. 

O tempo é diferente na dimensão de cada um. Você foi a pessoa certa na hora errada, diz o clichê. Ou a pessoa certa, ponto. De quem eu precisava para eliminar resíduos que ainda entupiam as veias do meu coração, para tirar dúvidas, para seguir sem tanto medo na próxima aventura.

O começo foi lindo. Tanta coisa bonitinha você fez. Tanto esforço para me conquistar. Tanto cuidado com alguém que você mal conhecia. Depois, a gente fez e falou coisas que a borracha do arrependimento não apaga. E aí o começo lindo fica meio sem sentido perto do final confuso.

Neste finzinho de 2014, olhando rapidamente pelo retrovisor, bate saudade. Lembra da primeira foto que te mandei? Foi da Lua, vista da janela do meu quarto.


Fico matutando aqui: e se você pintasse agora na minha vida? Acho que seria tudo diferente. Ou não. Nunca vou saber. Aconteceu tudo tão rápido. Mesmo assim, a gente viveu tanto.

Só que a vida tem uma chave mestra que se chama "timing". Por algum motivo, apesar de tanta coisa pra dar certo, deu errado. Tínhamos muito em comum, menos o principal: o tempo certo. O que alguns gostam de chamar de tempo de Deus. O meu pedia mais alguma coisa. O seu gritava pra parar. E agora, J?

Poderia ter sido amor. Poderia ter sido tanta coisa. Mas não dava pra esperar meu coração alcançar o seu. É Reveillon. Brindemos à curta e significativa experiência que a vida nos proporcionou.

Todo caminho é o caminho certo. Ouvi essa frase no filme "Mr. Nobody", e é ela que me conforta. Tô aprendendo ainda. Na sala de aula da vida, foi uma delícia ter você na carteira ao lado. 

Estamos de férias. Quando a escola reabrir, só Deus sabe se estaremos na mesma classe. Ou se nos veremos só na formatura. Mas sempre existe a possibilidade da gente se encontrar na hora do recreio. Feliz ano novo! 

10 comentários:

  1. As vezes acontece coisas na vida da gente que não conseguimos entender. Seria culpa do momento? Da pessoa? Do lugar? Não sei. Acho que muitas vezes não é culpa de ninguém, mas sim, de uma proteção maior que nos impede de sermos infelizes com escolhas incorretas. Anjo? Também não sei amigo. Só sei que muitas coisas na minha vida só o tempo explicou. Então percebo que os bons momentos valeram a pena, mas valeu mais ainda não ter dado certo muita coisa que desejei e não aconteceu. Isso aí amigo, que venham novos acontecimentos na hora certa, no tempo certo, com a pessoa certa e com a aprovação desse “anjo maravilhoso” que nos protege todos os dias. Abraço! Rose

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rose, esse "anjo" existe, já tive provas. E é tão bom descobrir o porquê de algumas coisas não acontecerem. Costumo dizer que a vida é sábia no que tem que ser. E a gente leva um tempinho para descobrir o sentido de tudo. Abraço apertado!

      Excluir
  2. Que lindo,fiquei emocionada ao ler, belas palavras, meu irmão querido...... Bjo

    ResponderExcluir
  3. Textos que brotam lá do fundo do peito sempre tocam a alma. Bjos, maninha!

    ResponderExcluir
  4. Linda confissão, Ro. Além da predisposição, a coisa realmente acontece sem controle algum. Então não será necessário encontroar lugar onde "encaixar" a pessoa. Ela simplesmente será incorporada a sua vida e isso te dará mais realização que trabalho. Um abraço.

    ResponderExcluir
  5. Vou concordar e discordar de você, Matheus. A predisposição já é uma forma de controle. Assumimos, portanto, o desejo de ter algo com alguém. E o universo se encarrega do resto. Mas, de fato, quando alguém nos cativa pra valer, as coisas simplesmente fluem. Outro abraço e thanks!

    ResponderExcluir
  6. Lindo texto. Adorei. Tenho gostado de acompanhar seu blog. Parabéns. Jaime Bulos

    ResponderExcluir
  7. Obrigado, Jaime, pela visita. Seja bem-vindo ao blog, é um prazer tê-lo por aqui. Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Zivi, é intertexto com Drummong? No "J." cabe José? O texto é muito forte, sem dúvida. Sensível e extremamente cru de estilismos plásticos. Minha eterna admiração àqueles que poetizam a prosa! Excelente texto, excelente blog! Abraços.

    ResponderExcluir
  9. Hello, SG! Nenhuma pretensão aqui com Drumond.Sentei e fui escrevendo. Acho que o resultado agradou, né? Muito obrigado pela visita e pelas observações, me sinto honrado. Abraço!

    ResponderExcluir