terça-feira, 8 de janeiro de 2013

As aventuras de Pi

O homem, o tigre e a fé

Minha mãe costuma dizer que Steven Spielberg é de outro planeta, porque tem uma sensibilidade ímpar para contar histórias fantásticas. Eu acho que o posto de extraterrestre, pelo mesmo mérito, deve ser ocupado por outro cineasta: Ang Lee.

"As aventuras de Pi", seu filme mais recente, não é apenas uma aula de cinema. É um convite à reflexão sobre a fé, através de uma metáfora infalível: a dos bichos. A história do garoto que sobrevive ao naufrágio e se vê obrigado a conviver com um tigre de bengala em alto mar pode soar simplista demais aos desavisados. Mas é a passarela perfeita para o desfile de proposições sobre a vida e o que realmente importa, ante a uma realidade tão besta como a nossa, contaminada pela futilidade das redes sociais e preocupações desmedidas sobre o insignificante.

Lee fez com "Pi" o que já tinha feito com "Brokeback Mountain": um filme melhor que o livro. Na história dos caubóis, o embate era entre o amor e o preconceito. Agora, é entre ciência e religião, razão e divino, na dosagem exata para encher o espectador de dúvidas.

Não faltam interrogações. Animais têm alma? Ou espelhamos neles, irracionalmente, nossas próprias emoções? Somos seres superiores, inteligentes e emotivos? Ou selvagens disfarçados pela civilização, prontos para o ataque, em nome da própria sobrevivência? A natureza, bela e furiosa, é também indiferente, cruel? Ou pode ser um teste de resistência ao caráter com desígnios nobres? Nascemos bons e virtuosos? Ou somos apenas treinados para manter as aparências e suportar a convivência?

Muitas das respostas, como mostra "Pi", estão na fome. A aflição física, em seu estado mais bruto, "é capaz de mudar completamente a percepção que o homem tem de si mesmo". Afinal, é através da satisfação dos instintos primários que nos igualamos aos seres mais elementares. E que, no caso de "Pi", nos diferenciamos em igual medida. 

No cinema, o heroi, mesmo à beira da morte, encontra meios de exercitar a parcimônia, a tolerância, a compreensão e o raciocínio, diante de uma fera que não hesitaria em devorá-lo se tivesse forças. Assim, mergulhado no paradoxo da dúvida e do medo que nos ajudam a viver, se dá o encontro metafórico com Deus.

"As aventuras de Pi" é ainda um deleite para os olhos. As imagens foram cuidadas para impactar em 3D. Sem a reflexão, no entanto, até mesmo a paisagem mais linda perderia o sentido. Em síntese, uma questão de interpretação. 

Somos, de certa forma, tigres, zebras, hienas e macacos, num mesmo zoológico, em busca de uma harmonia, por enquanto, utópica. Alguns evoluem. Outros se limitam a mastigar. Muitos olham só para si mesmos. Poucos estão um passo à frente. Mas só através do desapego - mais uma palavra-chave no filme de Lee - é possível aprender e ensinar. É preciso deixar o tigre ir, sem chorar por ele não ter olhado para trás. Para quê o adeus?

"Pi" é sobre crer na beleza e no significado do que acontece com a gente. Talvez a única falha seja se explicar demais no final, algo compreensível para uma obra-prima que posa de arrasa-quarteirão. Deixa isso pra lá. Enquanto Ang Lee existir, estaremos salvos nas salas de projeção. 

10 comentários:

  1. Vi o filme e adorei. A ciência e a religião estão na balança, mas acho que a ênfase está mais na crença, seja ela qual for. É importante acreditar em algo que nos faça bem e evoluir, essa talvez seja a mensagem mais forte do filme.

    ResponderExcluir
  2. Rodrigo, assisti ao filme no cinema, e agora lendo o seu blog, pude entender melhor o que você quis passar ao leitor. Logo logo estarei postando no Cinemalismo sobre 'As Aventuras de Pi', que por sinal, é um grande filme!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Belíssimo filme, não é mesmo? Dos que vi até agora, e que estão na disputa pelo Oscar, achei o melhor. Merece algumas estatuetas! Vou conferir o seu texto depois, Fernando. Abraço e volte sempre.

      Excluir
  3. Cara, gostei da sua reflexão sobre o filme. Você abordou pontos-chaves da obra, de fato. Só acho que os créditos principais deveriam ser dados a Yan Martell, autor do livro que deu origem ao filme e não a Ang Lee, que o adaptou às telas. Mas foi um texto bastante interessante e que cumpriu o que o se propôs a fazer, parabéns.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Matheus. A ideia era falar do filme mesmo, pois achei a adaptação brilhante. "Pi", com todo o respeito ao livro, tornou-se uma obra essencialmente visual nas mãos de Lee, sem, no entanto, perder o conteúdo filosófico e emocional. Mas talvez tenha faltado, ao menos, uma menção ao escritor, afinal, sem ele, não haveria o filme. Obrigado pela visita. Um abraço!

      Excluir
  4. eu não gostei do filme,eu só vi o filme porque eu vi um vídeo e pela narrativa do filme que eu vi nesse vídeo,eu resolvi ver,o filme deixa muitos espaços em branco que não é explicado,eu também não gostei da parte que ele conta a história verdadeira,não aparece ele como aparece quando ele conta a história,o cara do filme é um vegetariano hipocrita que não come carne,mas se alimenta de carne humana e animal,eu acho que quem fez o filme deveria explorar mais tempo na ilha e parar de focar só no mar e aquelas alucinações que ele vê no filme são muito ruim

    ResponderExcluir
  5. Ameeeeeeeeeeeei o filme, vi duas vezes porque uma só não foi suficiente...provavelmente verei outras vezes. A beleza das lições, a verdade que há no olhar do tigre (trabalho de computação gráfica de pirar...de tão perfeito)...ah...mto bommmmm. Sou louca por animais e a reflexão sobre nossa relação com eles e com as nossas feras internas mexeram mto comigo. Parabéns pelo post!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Maria Tereza! Eu adorei o filme, chorei que nem bobo na cena da despedida dele e do tigre, rsrsrs. Ang Lee em excelente forma com esse filme. Bjo!

      Excluir
  6. ó, mais um pra listinha do final de semana... alguns amigos já haviam sugerido mas eu tinha esquecido. Teus questionamentos são bons, estou pesquisando a origem de alguns comportamentos humanos e o que se tem de material pra explorar é muito escasso, são raras as escritas dos tempos passados e é preciso ainda desconfiar das traduções por causa das censuras todas promovidas pelos poderes dominantes. Algumas referências são A Epopeia de Gilgamesh, O Bardo Thodol, Hermes, Homero, Horácio, Platão... e o que já foi estudado sobre isso: Spinoza, Hume, Smith, Nietzsche, Sêneca, Freud, Jung, Reich...
    e as perguntas permanecem:
    "Somos seres superiores, inteligentes e emotivos? Ou selvagens disfarçados pela civilização, prontos para o ataque, em nome da própria sobrevivência? A natureza, bela e furiosa, é também indiferente, cruel? Ou pode ser um teste de resistência ao caráter com desígnios nobres? Nascemos bons e virtuosos? Ou somos apenas treinados para manter as aparências e suportar a convivência?"

    ResponderExcluir
  7. Obrigado pelas dicas! O assunto rende, principalmente porque a natureza humana é um universo ainda muito obscuro.

    ResponderExcluir