domingo, 26 de setembro de 2010

Cansou

Lady Mala


Preciso colocar isso pra fora. Lá vai. Sabe aquela cantora loira que adotou nome fictício, veste todo dia um figurino inusitado, imita todas as grandes referências pop do último século, deu a sorte de lançar um disco de sucesso e brada ser original? A melhor definição dela está na Desciclopédia, um site de humor: "É uma drag queen fazendo dublagem mal feita (...) . Trata-se de mais uma destas jovens transexuais que fazem sucesso no mundo da bitch music, em especial por agradar onanistas retardados como você que a acham gostosa".
Exageros à parte, é preciso reconhecer que a moça sabe cantar, coisa rara no descartável universo pop. Mas isso não dá direito a ela de ser tão mala. De esfregar na minha cara, diariamente, os excessos de sua personagem, uma manobra cansativa e explicitamente marqueteira, a fim de se tornar rainha de alguma coisa. Rainha da música, rainha do escândalo, rainha da reinvenção, rainha da moda, do estilo, do videoclipe e dos grandes shows. Todos esses títulos já tem dona, tão famosa e relevante que já está no inconsciente coletivo, no plasma da loja do shopping, na imitação do Rodrigo Faro, na TV a cabo com a última turnê, na prateleira de CDs e DVDs da Fenac com tudo o que lançou nos últimos 30 anos e que ainda é capaz de tornar medíocre qualquer jovem pretendente à coroa.
Aquela cantora loira, que é pura imitação, engoliu um crucifixo no último clipe e dançou entre homens quase pelados, achando que provocaria reação, quem sabe até do Vaticano. Não conseguiu nada além de acusações de que é, de fato, uma cópia. Esqueceu-se a coitada de que outra cantora, com nome próprio, já tinha deixado o papa sem dormir com um vídeo que mostrava cruzes em chamas e beijos em um santo negro. Esqueceu-se a babaca (ou ela achou que o mundo não se lembraria) de que, muito antes dela, outra loira com figurinos chocantes já dançava entre homens seminus, com mais atitude, com o mesmo microfone de boca, questionando os tabus da religião, do sexo e preconceitos. Como pano de fundo, músicas contagiantes, muitas delas clássicos instantâneos. Uma arte que inclui mais de uma dezena de filmes, centenas de vídeos e megashows que se tornaram paradigmas sólidos, inspiração para velhas e novas levas de astros, justamente pelo conteúdo que ultrapassa o mero entretenimento e esbarra na arte em si, através de imagens icônicas e prontas a provocar indignação ou reflexão, estes os verdadeiros objetivos de uma obra que se pretende importante. A outra loira não é outra, é única. Venceu sendo ela mesma, sem disfarces, com uma biografia de luta. Não é só rainha. Conseguiu o mérito de se tornar uma lenda viva, um mito de carne e osso. Agora é diretora de cinema. Acabou de rodar seu primeiro longa, depois de alguns curtas e documentários pelos quais já tinha sido premiada. Ano que vem, não duvide, pode pintar um Oscar. E promete disco novo e turnê mundial para 2012, ano em que, dizem, o mundo acaba. A turnê do apocalipse?
O mundo vai acabar, sim. Para essa Lady Mala, que veste roupa de bife para receber prêmios da MTV. Começou bem, com cara de bagaceira em "Just Dance", e agora, cantando a insuportável "Alejandro", se considera a última Coca-Cola do deserto. O mundo ama bajular quem sobe como um foguete. Ama mais ainda a queda, bem judiada. Um prazer bizarro, sadomasô. Tentaram isso com a original, várias vezes. Não conseguiram. Afinal, quem faz história não sucumbe. Com Lady Mala, o tombo é inevitável. Primeiro, porque nem eu, nem ninguém com metade do cérebro funcionando aguenta mais. E depois porque falamos de alguém que tentou roubar uma fórmula pronta. "Bad Romance" é boa, mas não vai resistir à prova do tempo e da lógica. A modinha dura até o ano que vem, com o lançamento do próximo disco, já anunciado e com estratégia de divulgação maciçamente planejada. Aguardem a tresloucada vestindo mais cadáveres, tentando escandalizar um mundo que já viu coisa melhor. Outras virão.
Essa cantora nem bonita é, só consegue ser esquisita. E representa tudo o que me dá asco: é só sorrisos, faz questão de agradar a gregos e troianos e nem percebe a própria falta de molho, persona, recheio e coerência. Continua tentando imitar aquela que mais incomoda que agrada e que, por isso mesmo, permanece sem rival.
Lady, você é uma mala! E ninguém tão chato consegue vida longa sob os holofotes. Aproveite. Teus quinze minutos até que estão durando. O ponteiro, porém, é implacável. Pena que depois vem outra, e outra, e outra...Santa paciência.
Pronto, me sinto melhor. E deixo aqui este vídeo "fan made" em homenagem à única, mágica, verdadeira e absoluta diva pop de todos os tempos, à prova de imitações. Enjoy.


13 comentários:

  1. Agora vc está melhor, Ro? Colocou pra fora? Hehehe
    Isso mesmo. Manda bala, ninguém aguenta mais.

    A única coisa que ainda me causa uma reação sobre a Lady Chata, é o fato de esses fãs dela – mulecadinha de hoje junto a muita bichinha burra pra caramba – não conhecerem o trabalho já feito há 30 anos – com muito mais conteúdo, causa e expressão – pela Madonna.

    Também tenho esse ódio no coração hehehe.
    Bjo.

    ResponderExcluir
  2. O problema nem é a molecadinha e as bichinhas burras, Má, cuja opinião, sinceramente, não me interessa. O pior de tudo é a própria mídia que, de tempos em tempos, insiste em "MATAR" a Madonna, elegendo uma "nova rainha do pop". E muitos vão nessa onda, até que a Madonna resolve sair com novo álbum, outra turnê arrasa-quarteirão, mandando tudo à merda, como sempre aconteceu. Disse e repito: a Madonna, aos 52, tá melhor que todo mundo, ainda vai enterrar a gente, sobreviver ao apocalipse e fazer show para milhões, incluindo os filhos da Lady Gaga, em Marte! Quem viver, verá! Rs.

    ResponderExcluir
  3. Ok, ok, é mesmo uma mala. E o pior: fake!
    mas sou mais a Gaga, ou Gagá, ao Rodrigo Faro(tudo por dinheiro!)
    E o risoto encantado?! Abs., João
    *A propósito: "o q é "aquilo" na bancada do SP Record?!".

    ResponderExcluir
  4. Meu Deus!
    E eu que por não suportar aquilo estava me sentindo velha... rsrsrs
    Ufa... Não estou só! rs
    Brincadeira, Rodrigo...
    Não engulo mesmo. Quando vi "Biografia de Lady Gaga" quase tive um treco.
    Adoooooro seu espaço. Sempre dá um up no meu humor...

    ResponderExcluir
  5. Oieee !!!
    hahaha...que desabafo !
    Não gosto desses exageros dessa mocinha rs !!!
    Já vi cada cena que parece mais uma doente do que qq coisa !!!
    E o pior é que o povo ainda acha graça...mas né cada louco com a sua mania !!!
    Beijooos

    ResponderExcluir
  6. Que maravilha descobrir que meu desabafo é o de muitos, rs. Lucimara, a biografia da Lady Gaga só pode ser uma piada, né? Eu tb vi e tive vontade de rasgar no dente!
    João, eu sou mais o Rodrigo Faro, hehe. O risoto encantado desencanta na hora que vc quiser. E "aquilo" na bancada, bem, outra hora a gente conversa.
    Ana, que bom que apareceu!
    Abraços em todose obrigado pela visita, sempre!

    ResponderExcluir
  7. Concordo com tudo. Acredito que a Lady GaGa é o reflexo do vazio pós-moderno em que vivemos, onde tudo é instantâneo e envelhece muito cedo. Como você mesmo disse, a mídia adora eleger novos reis e rainhas e tripudiam com a queda deles, se a Lady GaGa vai sobreviver a isso, ainda tenho minhas dúvidas. O fato é que um álbum, um EP, alguns Grammy's e VMA's ainda não são capazes de enterrar os quase 30 anos da brllhante carreira da verdadeira e única Rainha do Pop, Madonna. Referências religiosas e sexuais em video-clipes já não fazem tanto sentido hoje em dia quanto faziam na época de Like A Prayer, Justify My Love e Erotica. Defender os gays e ser politicamente correta é algo que Madonna já vem fazendo desde os anos 90, essas bandeiras que a GaGa vem levantando não são novidades. Na minha opinião, o problema é a juventude contemporânea que se contenta com Tik Tok, California Gurls, Single Ladies, PokerFace. Sorte nossa que tivemos Madonna, Michael Jackson, Cyndi Lauper, Prince, George Michael, Aerosmith, R.E.M, entre outros...

    ResponderExcluir
  8. Kooji, belas palavras! Sorte nossa mesmo! E a Madonna, ao contrário de seus contemporâneos, continua atual. Quanto à morte de Lady Gaga, sugerida pelo nosso colega aí de cima, acho que não precisamos nos preocupar. A morte artística da moça é só uma questão de tempo. Abraços!

    ResponderExcluir
  9. Rodrigo
    esqueci de comentar sobre o fan made de Broke que você postou! Muito bem feito... dá para ter um panorama da grandiosidade da imagem que ela construiu durante todo esse tempo e que levou apenas alguns meses para a Lady GaGa transformar nessa salada bizarra e sem sentido de referências...
    Fiquei inspirado pelo vídeo e fiz um para Animal:
    http://www.youtube.com/watch?v=ofzZTECDiIE

    ResponderExcluir
  10. Muito bom, kooji. Adoro "Animal", acho uma pena ela ter ficado fora de "Hard Candy". Dava pra ser single, com clipe e tudo. Seria um sucesso! Abraço.

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir