domingo, 8 de agosto de 2010

Cinematerapia

Sonhando acordado

Chato e intrigante. Longo e necessário. Visualmente deslumbrante e surpreendentemente burocrático. Assim é "A Origem" ("Inception"), o último do diretor Christopher Nolan ("Amnésia", "Insônia" e "O Cavaleiro das Trevas"), fenômeno mundial de bilheteria. Paradoxal talvez seja o melhor adjetivo para o filme, difícil de digerir, porém uma festa para os olhos. Nem me atrevo a explicar a história aqui e agora. Tarefa espinhosa demais para essa minha tarde descompromissada de domingo. Basta saber que "A Origem" é sobre como entrar na mente dos mortais comuns para roubar ou implantar ideias, através dos sonhos. O resto é melhor descobrir - ou pelo menos tentar - no escurinho do cinema.
São duas horas e meia de projeção. Cometi o pecado de cochilar lá pela metade. Tô pensando em pular numa nova sessão, sem sono. Embora cansativo, "A Origem" merece reprise. Aliás, este é o motivo da arrecadação-monstro nos Estados Unidos, acima dos 200 milhões de doletas em três semanas. Muita gente que já viu está voltando aos cinemas, na esperança de montar o quebra-cabeça. Nem é tão complicado. A trama é propositalmente embaraçada. Mas o roteiro é bem amarrado, ágil. Elenco impecável, com Leonardo DiCaprio, Ellen Paige (a maluquete de "Juno") e Marion Cotillard (de "Piaf" e "Nine") dando aula de interpretação. E o final é bem a cara de Nolan, afeito a interrogações e mistérios aparentemente insolúveis.
Se o sonho tem mesmo o poder de nos oferecer o que a realidade nos nega, então a última cena, para minha profunda alegria, é aberta a infinitas interpretações, o que me permite ir além da cerveja na próxima vez em que me sentar com os amigos numa mesa de bar.
Não vou estragar a surpresa. Só uma dica: antes de encarar a "viagem", durma bem. Na hora do filme, um balde de pipoca e boa vontade sempre ajudam.
Já "Salt", uma espécie de "007" de saias, é bem mais simples e divertido. Adorei. Angelia Jolie, no auge da beleza aos 35 anos, parece ter nascido para o papel da espiã russa que manda tudo e todos pelos ares. A mulher, com a famosa boca do tamanho de um bote inflável, mãe de uma renca de filhos, casada com Brad Pitt e dona de uma história de vida digna de manicômio (dá um Google na Angelina, please), vale cada um dos mais de 20 milhões de dólares que ela cobra de cachê. Algumas cenas são antológicas, como a que Salt vinga, com extrema violência e estilo, a morte do amado. Outras, pura marmelada, no melhor estilo "Indiana Jones". Relaxe e divirta-se.
Ainda sobre cinema, "Burlesque", musical arrasa-quarteirão com a jurássica (e competente) Cher e Christina Aguilera, já teve o trailler divulgado. A estreia está prevista para janeiro, mas já deu água na boca. Dá um play aí embaixo. Fui tomar uma Coca e já volto.

7 comentários:

  1. Cochilou??? Pecado foi eu não estar por perto... Da próxima vez me chama, com certeza a única coisa que você não fará é cochilar...

    ResponderExcluir
  2. OLÁ RODRIGO,BOA DICA HEIM?? MAS VOU SEGUIR SEU CONSELHO ,DORMIR BEM E SER ACOMPANHADA POR UM BALDE DE PIPOCA,PRA NÃO COMETER O MESMO PECADO,RSRSRS....
    ÓTIMO FINAL DE SEMANA MEU QUERIDO!!!
    BJOS!

    ResponderExcluir
  3. Rodrigo, boa noite.

    Hoje o dia foi agitado mas faço questão de passar por aqui. Há algum tempo descobri seu blog após uma breve pesquisa no google. Obrigado pelo recado que deixou no meu blog. Atenderei seu pedido. Tem razão. Gostei da crítica que fez ao filme. Esse ainda não vi. Acho que nem devo né... rsrs...

    Abraço,

    sempre quando a vida permitir, vamos manter contatos sobre essa louca profissão nossa de cada dia.

    ResponderExcluir
  4. Graziela e Thiago, sejam bem vindos! Obrigado pela visita e pelos comentários. Grazi, depois vc me conta o que achou. Ainda não fui ver de novo, mas pretendo. Thiago, com certeza vamos trocar muitas ideias sobre essa nossa vida maluca, rs. Forte abraço.

    ResponderExcluir
  5. Rodrigo,
    Ainda não fui...
    A Naiá disse é que muito semiótico; fiquei curiosa.
    Bjão e ótima semana.

    ResponderExcluir
  6. Ro, "A Origem" é o novo sucessor do "Matrix". O filme é intrigante, de tirar o fôlego, sem contar que o fim convida à uma reflexão instigante sobre estar realmente acordado ou estar inserido em realidades paralelas do sonho.
    Vai lá assistir de novo, vai! Estou curiosa pra reler a sua crítica, até porque ela influencia um número significativo de pessoas.
    Saudade enorme de vc.
    Beijoca

    ResponderExcluir
  7. Lu, que bom ver vc aqui de novo, tava sumida! Cadê vc? Tem razão, há semelhanças com "Matrix". Mas não acho que seja tão bom quanto. Muito embaralhado. E o argumento, extremamente burocrático. "Matrix" foi mais feliz nesse aspecto. Enfim, tá valendo. Apareça!
    Lucimara, obrigado pelo seu comentário. Já viu o filme? Depois me conta. Bjos.

    ResponderExcluir